Quarta-Feira, 30 de Novembro de 2022
Como Elisa Sanches, astros do pornô tentam se eleger, mas não empolgam.
Eleições 2022
Como Elisa Sanches, astros do pornô tentam se eleger, mas não empolgam.
Eleições 2022 / 04-10-2022

"Como muitos de vocês já usaram as mãos por mim, usem novamente com sabedoria nessa eleição", pedia Elisa Sanches, 40, atriz pornô carioca no perfil no Instagram. Por lá ela conversa com quase um milhão de seguidores — homens, em sua grande maioria. Durante a disputa para se eleger deputada federal pelo PP (Patriota) pelo Rio de Janeiro, foram abundantes as frases de duplo sentido em alusão ao trabalho de Sanches na indústria pornográfica.

Nem a identificação numérica da candidata escapou. Os dois últimos números? 69. "Sim, a gente quem escolhe", esclareceu Sanches, dias depois de anunciar a candidatura. 

A atriz pornô encontrou a reportagem do TAB para falar sobre suas aspirações políticas em uma casa suntuosa num condomínio de Cotia (SP). Lá é gravado o reality show "Casa das Brasileirinhas", carro-chefe da Brasileirinhas, uma das principais e mais antigas produtoras de filmes pornôs do país.

Ao chegar, Sanches foi direto para a ilha de edição, onde assinou contratos de cessão de imagem e de exames médicos contra ISTs e HIV. Ao seu lado, outra atriz e o assistente de direção testavam um perfume que Sanches comprou no aeroporto, chegando à capital paulista. Em instantes, o cheiro forte de Libre da marca Yves Saint Laurent tomou o ambiente. "É um perfume chique, de rica", analisou o assistente de direção, usando um boné com o logo da Brasileirinhas.

"Ai, será que posso falar isso?", Sanches já dizia nos primeiros dez minutos de entrevista. Em dúvida sobre os limites do que pode ou não falar numa reportagem, decidiu consultar Gil Bendazon, o diretor do reality show, que não mostrou o rosto e não é muito fã de entrevistas. Ele permaneceu em silêncio, olhando a tela do computador onde editava a última cena de sexo gravada no reality.

Depois de alguns segundos sem resposta, a atriz reconsiderou uma de suas falas. "É, melhor não colocar isso não...", pediu a atriz, apontando o dedo em direção ao gravador. Vestida com um macacão branco, lentes de contato azuis e portando o mesmo sorriso das centenas de fotos publicadas em suas redes sociais, a atriz se definia como uma pessoa simpática, sincera e ninfomaníaca.

Fenômeno cultural Elisa Sanches é uma das atrizes pornôs mais populares do Brasil. Mesmo tendo começado em 2016, muito longe da época áurea dos filmes de VHS, a carioca rapidamente conquistou o estrelato vendendo conteúdo autoral por assinatura e gravando com produtoras brasileiras. O sucesso poderia ficar restrito ao corpo malhado, seios fartos de silicone e quadril largo, mas a atriz diz que o segredo mesmo é gostar do que faz. "Fiquei famosa porque eu gosto de transar. Faço anal sorrindo", conta.

Elisa ficou popular a ponto de ser encarada quase como uma entidade, em faixas do funk carioca, como o hit produzido pelo DJ Menor ML "Eu Incorporo a Elisa Sanches Quando Fumo Um Baseado". "Queria muito conhecer a pessoa que fez essa música", diz. Quem trabalha atrás das câmeras da indústria pornô conta que Sanches é fácil de trabalhar. "Ela é ótima, não tem tempo ruim com ela", afirma Fábio Tonasso, maquiador do reality.

Em março de 2021, foi chamada para ser apresentadora do reality show das Brasileirinhas. Graças ao reality, Elisa visita São Paulo uma vez por semana. Quando não está trabalhando com pornografia, faz shows de strip tease em inferninhos Brasil afora. No dia da entrevista, tinha acabado de voltar de Goiânia, onde se apresentou de madrugada. A rotina é lucrativa, mas Sanches vê na carreira política uma oportunidade de ir além na luta contra o preconceito às trabalhadoras sexuais e ajudar vítimas de violência sexual. "Quero ser a diferença, a exceção", afirma.

Pornô político O cargo de apresentadora do reality show das Brasileirinhas já foi ocupado por Alexandre Frota, ex-ator global que passou os anos 2000 estrelando dezenas de filmes adultos e que, em 2018, foi eleito deputado federal pelo PSL. Hoje Frota é um ex-bolsonarista convicto — talvez por isso tenha perdido as eleições para a Alesp (Asssembleia Legislativa de São Paulo): obteve menos de 25 mil votos no domingo (2) 

Em 2008, duas celebridades que se aventuraram no pornô também tentaram uma entrada na política institucional: Gretchen, que se candidatou a prefeita Itamaracá (PE) e recebeu 343 votos; e Rita Cadillac, que se candidatou a vereadora em Praia Grande (SP) — 378 votos no total.

O cargo de apresentador do reality das Brasileirinhas deve ter algo de político, porque assim que Frota parou de apresentar o reality, a função foi delegada a Kid Bengala, lendário ator pornô que vem tentando entrar para a política há anos. Bengala, cujo nome é Clóvis Basílio dos Santos, saiu do reality (e do pornô) um pouco antes da sua candidatura a vereador por São Paulo, em 2020. Munido de um arsenal tão bom quanto o de Elisa para produzir frases de duplo sentido, Santos se candidatou a deputado federal em 2022 pelo partido União Brasil. Os dois números finais de identificação? 69. Como Elisa, também não foi eleito (levou pouco mais de 10 mil votos).

Quando oficializou sua candidatura pelo Patriotas, Sanches fez corpo a corpo em locais de grande circulação na capital carioca, como o Mercadão da Lapa e Central do Brasil. Em um dos vídeos de campanha, Elisa aparecia cercada de homens vestindo a camiseta do Flamengo, fazendo a típica romaria política em época de eleição. Uma semana após oficializar a campanha, foi tema de uma reportagem do UOL que revelou que Elisa participou de uma rifa ilegal, cujo prêmio era um Mercedes-Benz C200 seminovo e uma noite com ela. "Eu não sabia que era ilegal", defende-se.

"Me chamaram e eu fui. Não tenho como saber se estão cometendo um crime", afirma.

'Não posso me posicionar' A candidatura de Sanches seria pelo PDT. Na pré-candidatura, a plataforma estava alinhada ao perfil do partido, focando no direito das trabalhadoras sexuais. A biografia de Gabriela Leite, uma das precursoras do movimento de organização de prostitutas, foi um ponto de inspiração da atriz. "Ela lutou pelos direitos dela de uma maneira muito bonita."

Mas o plano de se candidatar pelo PDT não vingou. "Não quero ficar em um partido que apoia abertamente o Lula. Não posso falar em que eu vou votar, preciso ser neutra", explicou. Quando a reportagem informou que o próprio PDT tinha candidato à presidência, Ciro Gomes, Elisa rebateu: "Acho que eles apoiam o Lula, hein?". Na vinheta anunciando sua candidatura pelo Patriotas, uma urna eletrônica animada exibia na tela as frases "Quebrando Preconceitos" e "Lugar de Mulher é Onde Ela Quiser", ao som de um funk.

Passado dolorido Nascida no Rio de Janeiro, Sanches morou grande parte da vida em Rocha Miranda, na zona norte. A mãe, já falecida, nasceu em Olinda (PE) e migrou para a capital carioca para trabalhar.

Aos 13 anos, Sanches sofreu uma tentativa de estupro pelo padastro e não contou com nenhum apoio da família para denunciar e se recuperar do trauma. Em 2009, aos 26, começou a trabalhar como garota de programa em uma casa de massagens. Na verdade, achou que o emprego era só fazer massagem e depois descobriu que as massagens tinham "final feliz".

Assustou-se com o adicional que a função exigia, mas seguiu na área. O abuso que sofreu no começo da adolescência virou raiva. Depois de dois anos trabalhando como garota de programa, finalmente se empenhou em ganhar dinheiro e unir o útil ao agradável. "Sou ninfomaníaca mesmo. Se eu botar na ponta do lápis, transei mais do que o Renato Gaúcho."

No curso da campanha política, não faltaram comentários criticando a decisão da atriz ou atribuindo a candidatura a uma decadência da política institucional. Nada parecia abalar Elisa. "Tem muita gente de valor trabalhando com sexo."

Fonte:tab.uol.com.br


Compartilhe com os amigos!

Deixe seu comentário