Personalize Suas Preferência!

Escolhe a cidade que você deseja como página padrão do site. Você pode mudar a qualquer momento suas preferência.

buscar
 

  • Região:São Tomé Saúde     17-03-2020

BRASÍLIA - A velocidade de propagação do novo coronavírus no Brasil surpreendeu o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira. Ele já prevê muitas mortes e disse que a pasta está preparando instruções para o manejo seguro de cadáveres.

Segundo o último boletim do Ministério da Saúde, com informações atualizadas às 15h50 desta segunda-feira, há 234 casos confirmados no Brasil. Os dados podem estar defasados em relação às informações das secretarias de Saúde locais. No Distrito Federal, por exemplo, a secretaria informou no domingo que já eram 14 casos confirmados.

— Esperaria 200 (casos) daqui a uma semana, não agora — disse Wanderson.

Depois, afirmou:

— Outras medidas serão necessárias futuramente. Nós precisamos fazer uma guia e uma instrução, por exemplo, para manejo seguro de cadáveres. Isso é um coisa em que a gente está trabalhando. A gente pode ter, vai chegar um momento em que a gente vai ter muito óbitos. Então estamos nos preparando para todas essas atividades.

Isolamento:  Witzel manda fechar pontos turísticos e reduzir movimento de bares e restaurantes

Wanderson também disse ser contra medidas para restringir voos. Segundo ele, tentar impor "barreiras sanitárias" assim não é eficaz. Já o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis, disse que não pensa em fechar as fronteiras.

Na sexta-feira passada, ministros que participaram de reunião para tratar de ações de enfrentamento ao novo coronavírus defenderam a possibilidade de fechar a fronteira do Brasil com a Venezuela para conter o avanço da doença na região. A decisão final não foi tomada até o momento e depende do aval do presidente Jair Bolsonaro, que não participou do encontro, realizado no Palácio do Planalto.

Nesta segunda, Gabbardo disse que não participou da reunião nem conversou com o ministro Luiz Henrique Mandetta sobre isso.

— Não estamos pensando em fechar fronteiras, pelo contrário, vamos agora resolver o problema do navio que está lá em Recife (em que há casos de coronavírus). Temos dentro do navio dois uruguaios e dois argentinos e mais dois acho que argentinos que são tribulantes, em torno de seis sul-americanos. E nós vamos receber esses sul-americanos, vamos acompanhar seu isolamento em Recife antes de poder encaminhá-los a seus países de origem — disse Gabbardo.

Para se manter atualizado siga nosso perfil no Facebook clic AQUI 

 

Fonte: O Globo 


Compartilhe com os amigos!

Deixe seu comentário